sexta-feira, janeiro 30

LANCHERIA DO PARQUE

Acabei de tomar um suco na lanchera.

Confesso que fiquei constrangido - positivamente constrangido:

Dois reais um liquidificador cheio de suco de melancia que me rendeu quatro copos. E o suco estava especialmente bom, geladíssimo, equilibrado, saboroso.

Entendi o que o Cazuza queria dizer com "segredos de liqüidificador..."

Bem, vamos trabalhar

Taí a dica.

Pra quem não é de Porto Alegre, lancheria é lanchonete.

segunda-feira, janeiro 5

TEXTO DE LUÍS AUGUSTO FISCHER SOBRE O PALAVREIO

23 de dezembro de 2008 | N° 15828

LUÍS AUGUSTO FISCHER

  • Palavra, som, canção

    No princípio dos tempos, quer dizer, um século atrás, a canção era apenas uma forma de participar da conversa pública dizendo com melodia as coisas que era possível ou cabível dizer: cantar o amor, cantar o desamor (tão importante quanto), falar mal dos outros, tirar sarro de alguém, insinuar o que não cabia dizer com todas as letras. Tudo isso cabia na canção, nesse começo, que de certa forma pode ser ainda mais remoto, digamos que lá pelo mundo medieval: cantigas de amor, cantigas de amigo, cantigas de malidizer.

    Mas é certo que cem anos atrás essa brincadeira tomou forma mais nítida, e começou a atrair outros compositores, mais afinados com uma novidade de arromba: a gravação. Aliada com o teatro de variedades e canção já estava; agora, ela ganhava o estatuto de produto de mercado. Produto cultural, com toda a ambigüidade que a junção deste substantivo com este adjetivo implica: é coisa que se vende, e portanto o sucesso está na proporção direta da facilidade massificadora, e é coisa que raia pelo sublime, e portanto pode sobreviver ao tempo, como qualquer arte.

    O tempo passa e essa mistura de palavra e som desenvolve uma trajetória de excelência em nosso país (e não só nele). A canção deixa a vida para entrar na história, incluindo a história universitária. E aí aparecem novos cancionistas, agora autoconscientes. Quando começou este passo? Nos anos 60, com os festivais, na invenção da MPB.

    Dessa tradição provém Palavreio, CD de Leandro Maia, lançado faz pouco. Compositor deste nosso tempo, ele sabe que está lidando com uma forma com história intensa, densa; sabe e promove em seu disco uma repassada por vários gêneros e estilos, sempre aliando invenção musical com invenção poética. Por isso, o CD tem um encarte que é um pequeno livro, que não se limita a trazer as letras cantadas; também por isso o CD, que se deixa ouvir como se fosse mero pano de fundo musical, proporciona outra escuta, atenta, focada, como se exige de um livro ou de um concerto; por isso, enfim, é um CD precioso, que dá e comenta música e poesia, a canção.

Palavreio entre os 10 melhores discos brasileiros de 2008!!